Revista Jurídica da FAT já tem ISSN

O ISSN (International Standard Serial Number) é um número padrão, composto por oito dígitos, ele é uma identificação única e é dado a publicações seriadas, como jornais, anuais de congressos, séries de monografias, entre outros. O sistema de coordenação internacional do ISSN fica em Paris, mas o Brasil é cadastrado neste centro internacional e representado pelo Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia (IBICT), mesmo que o ISSN não seja obrigatório aqui.
 

O ISSN identifica o título de uma publicação seriada em circulação, futura (pré-publicação) e encerrada, em qualquer idioma ou suporte físico utilizado (impresso, online, CD-ROM etc), sendo composto por oito dígitos, incluindo o dígito verificador, e é representado em dois grupos de quatro dígitos cada um, ligados por hífen, precedido sempre por um espaço e a sigla ISSN.
 

A diferença do ISSN para o ISBN (International Standard Book Number) está no fato de que o último é utilizado para livros ou outras publicações que não tem continuidade, não seriadas. O uso de um, não exclui do outro. A distinção é que o ISBN se organiza segundo o título, o autor, o país, a editora, individualizando-os inclusive por edição, assim como pode ser convertido em código de barras, não tem problema de barreira lingüística ou outro procedimento.

Por essa razão, quando se procura um livro estrangeiro em uma livraria, às vezes, é mais fácil dar o número do ISBN do que dizer o nome do livro. O ISBN é controlado por uma agência nacional, cujo representante no Brasil é a Fundação Biblioteca Nacional, desde 1978.

O artigo científico publicado num periódico que tem ISSN assume caráter de cientificidade e é reconhecido nacional e internacionalmente, por força do número do ISSN.
 

Compartilhe