22 de Setembro - Dia do Contador

Pelo fato de o curso de Ciências Contábeis ter sido criado em 22 de setembro de 1945, por meio do Decreto-lei nº. 7988, assinado pelo então presidente Getúlio Vargas, essa data acabou sendo eleita como o Dia do Contador. Desde então, é notório que muita coisa mudou em todo o planeta e, como não poderia deixar de ser, na profissão contábil também. Com efeito, ao longo dos tempos, a sobrevivência das profissões e das organizações em geral passou a depender cada vez mais de investimentos maciços em educação. Aliás, na chamada sociedade do conhecimento, os países que assumiram a vanguarda do desenvolvimento são exatamente aqueles que mais investimentos efetuaram em educação. Por isso, nada mais oportuno do que aproveitar essa data (o Dia do Contador) para refletir um pouco acerca dos desafios que recaem sobre esta profissão e das grandes oportunidades que o futuro lhe reserva. 

É voz corrente entre educadores, economistas, sociólogos e tantos outros profissionais que o Brasil não passará para a primeira divisão da economia mundial sem promover uma revolução profunda em seu sistema educacional. De forma geral, entende-se que investir em educação é condição básica para aumentar a taxa de crescimento econômico, melhorar as condições sociais e reduzir os desequilíbrios na distribuição de renda. 
 
De modo semelhante, entende-se também que a educação é caminho obrigatório para viabilizar a inserção competitiva das empresas brasileiras na economia globalizada. Agora, mais do que nunca, sabe-se que é preciso imprimir um ritmo mais célere ao processo de aprimoramento das organizações, especialmente no que se refere ao setor da produção de bens e serviços. Nesse particular, precisamos nos preparar para enxugar custos, aumentar a qualidade dos nossos produtos e, assim, ganhar condições de explorar as vantagens que a abertura de mercado pode nos proporcionar. É claro que, para isso, outros problemas também precisam ser atacados como a carga tributária elevada, custos de infra-estrutura exorbitantes, juros restritivos etc.  
 
Neste cenário, raro é encontrar alguém que possa permanecer na condição de mero espectador olhando o movimento da onda sem correr o risco de ser arrastado para o fundo do mar. Essa é uma realidade que atinge em cheio a profissão contábil. Afinal de contas, se o Contador pretende se inserir nesse contexto como um player, de maneira nenhuma poderá se limitar a produzir relatórios contábeis, como muitos ainda imaginam ser o seu papel. Mais do isso, já é necessária uma participação muito ativa nos negócios, no sentido de ajudar os gestores a identificar alternativas que contribuam para melhorar o desempenho das organizações.
 
 Em outras palavras, diríamos que a Contabilidade não poderá se limitar a fornecer o placar do jogo, mas deve se inserir na competição como instrumento de caráter estratégico para mudar o placar e garantir os resultados desejados. Principalmente no campo gerencial, os contadores devem aproveitar os recursos tecnológicos para consumir menos tempo preparando relatórios e mais tempo no processo de análise e interpretação de informações de negócios. 
 
Preocupada com essa realidade e com as crescentes demandas que recaem sobre a profissão contábil, a Faculdade Anísio Teixeira procura ajudar o estudante do Curso de Ciências Contábeis a adquirir um conjunto de habilidades e não apenas conhecimentos. Parte-se do princípio de que se os conhecimentos nessa área evoluem muito rapidamente é necessário que o estudante seja estimulado a desenvolver habilidades que lhe permitam “caminhar por conta própria”, ou seja, adquirir novos conhecimentos para responder aos desafios que surgirão ao longo de sua vida profissional. 
 
Esta é uma das razões pelas quais a FAT vem investindo em laboratórios e apoiando diversas iniciativas que viabilizem uma maior aproximação entre o mundo acadêmico e o mercado de trabalho. A revitalização da Empresa Júnior é um dos exemplos mais recentes do conjunto de esforços que vem sendo empreendidos pela Coordenação do Curso de Contábeis. Trata-se de um espaço privilegiado para o futuro profissional aprender a gerenciar projetos, lidar com as diferenças, aproveitar potencialidades individuais em favor dos objetivos da organização, reconhecer o valor do trabalho de seus colaboradores, facilitar a livre expressão no ambiente do trabalho, aceitar críticas e sugestões de seus líderes e de outros componentes da equipe. 
 
Assim, considerando as características do ambiente em que atua, bem como a sua missão, a FAT vem adotando estratégias de ensino que ajudam o estudante do Curso de Ciências Contábeis a adquirir múltiplas competências. Entre as que mais contribuem para o seu sucesso profissional, destacam-se: pensar de forma estratégica e crítica, ter uma perspectiva e entendimento global, conhecer técnicas de gerenciamentos de recursos, entender implicações legais e fiscais nos negócios, ser capaz de alavancar e dominar tecnologias.  No campo das chamadas competências funcionais, o currículo prioriza conhecimentos sobre modelos decisórios, análise de risco, modelos de mensuração, técnicas de comunicação das informações contábeis, modelos de comportamento e outros igualmente relevantes.
 
Como se pode deduzir, o futuro da profissão contábil está em nossas mãos. Os desafios não param de surgir, mas as oportunidades também. Para bem aproveitá-las é necessário determinação e compromisso com a busca continuada por novos conhecimentos.  Afinal, se o mundo e as organizações não param de se transformar, as profissões têm que se mover na mesma direção. 
 

Professor Dr. José Maria Dias - Coordenador do curso de Ciências Contábeis e Diretor Acadêmico da FAT 

Compartilhe