Sexta-feira (19) foi dia de mobilização conta o Zika Vírus na FAT

A  FAT busca ir além do acadêmico e formar cidadãos conscientes da sua capacidade de interferir positivamente na sociedade em que estão inseridos. Como o mosquito Aedes Aegypti, transmissor de uma série de doenças, é um dos maiores problemas que a população brasileira enfrenta ultimamente, a faculdade entrou na campanha nacional de prevenção e, na última sexta-feira (19), os alunos foram para as ruas promover o Zika Zero. 

Estudantes dos mais diversos cursos participaram do projeto, atuando nos principais pontos da cidade. Sob  a supervisão da coordenadora dos cursos de Tecnologia da Informação (TI), Jamylle Santana, alguns dos alunos abordaram motoristas e pedestres na Av. Getúlio Vargas, distribuindo panfletos e orientando a população sobre as formas de prevenção. A coordenadora ressaltou que os alunos de TI já buscam maneiras de ajudar a população há algum tempo. "Eles já estavam preocupados com esse problema e estão, inclusive, desenvolvendo projetos, entre eles um software para mapear os casos do mosquito na cidade".

Entre outros pontos que os alunos visitaram, esteve a feirinha da Cidade Nova, onde o apoio da população ficou evidente. "É  pouquinho que eu conheço, mas sei que a faculdade Anísio Teixeira está fazendo algo bom para todos nós", palavras de dona Erudina Conceição, moradora do bairro. Essa recepção foi destacada também pela coordenadora dos cursos de Comunicação Social, Marly Caldas. "Nós estamos fazendo mini palestras, as pessoas também já começaram entender a importância da união no combate ao mosquito. Elas recebem panfletos explicativos e pedem mais para entregar aos seu vizinhos e parentes".

Os alunos, divididos em equipes, visitaram também o Centro de Abastecimento e a feirinha do Tomba, sempre distribuindo panfletos informativos e alertando a população sobre o quão importante é cada um fazer a sua parte. Etudantes de Direito foram panfletar na região do Fórum Felinto Bastos.  

A coordenadora do curso de Serviço Social e organizadora do evento, Mércia Nogueira, agradeceu tanto o empenho dos alunos e professores, quanto a recepção da população. "Os alunos estavam empolgados porque é uma ação importante, e não cabe somente aos profissionais de saúde, mas à sociedade como um todo. É um trabalho de prevenção e essa é a melhor forma de combater a epidemia".

Colaboração: Rute Damascena - Estagiária de Jornalismo/FAT

Compartilhe