MEC prepara coleção sobre vida e obra de 60 educadores

08

O ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou nesta quinta-feira, 3, que o MEC vai publicar uma coleção sobre a vida e a obra de 30 grandes educadores brasileiros e de 30 pensadores estrangeiros que exercem influência sobre a educação nacional. A coleção é dirigida aos professores da educação básica que lecionam nas 171.919 escolas públicas. Os autores foram selecionados por uma comissão integrada por representantes do MEC, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) e União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Foram escolhidos educadores que atuaram no Brasil, representam diferentes regiões do país e áreas da educação, sem, no entanto, incluir autores vivos. No caso dos pensadores estrangeiros, foram considerados os que mais influenciaram a educação nacional. A coleção vai apresentar cada um dos 30 autores brasileiros, a obra que produziu, a importância desta obra na educação brasileira e incluir um texto atual. No caso dos estrangeiros, selecionados da série Penseurs de L’Education, publicada pela Unesco, o MEC vai traduzir e publicar capítulos com 70 a 80 páginas sobre cada autor e obra. O objetivo, diz o presidente da comissão técnica, Carlos Alberto Xavier, é incentivar os professores das escolas públicas a ler, pesquisar e buscar o conhecimento a partir da história de homens e mulheres que contribuíram para o desenvolvimento humano. Educadores – Os 30 brasileiros indicados pela comissão são: Anísio Teixeira, Paulo Freire, Florestan Fernandes, Darcy Ribeiro, Manoel Bergström Lourenço Filho, Helena Antipoff, Fernando de Azevedo, Pascoal Lemme, Durmeval Mendes, Cecília Meireles, Aparecido Joly Gouveia, Rui Barbosa, Padre Manoel da Nóbrega, Edgar Roquette Pinto, Gustavo Capanema, Alceu Amoroso Lima, Antônio de Sampaio Dória, Antônio Ferreira de Almeida Júnior, Armando Álvaro Alberto, Celson Sukov da Fonseca, José Getúlio da Frota Pessoa, José Joaquim da Cunha de Azevedo Coutinho, José Mário Pires Azanha, Manoel José Bonfim, Nísia Floresta e Walnir Chagas, Júlio Mesquita, Bertha Maria Júlia Lutz, Heitor Villa-Lobos e Humberto Mauro. E da série Penseurs de L’Education, a comissão destacou: Andrés Belo, Édouard Claparède, John Dewey, Sigmund Freud, Antonio Gramsci, Ivan Illich, Anton Makarenko, Maria Montessori, José Martí, Jean Piaget, José Ortega y Gasset, Johann Pestalozzi, Carl Rogers, B. F. Skinner, Jean-Jacques Rosseau, Lev Vygotsky, José Pedro Varela, Alfred Binet, Jan Amos Comenius, Roger Cousinet, Jean-Ovide Decroly, Émile Durkheim, Adolphe Ferrière, Celestin Freinet, Friedrich Fröbel, Georg W. F. Hegel, Georg Kerschensteiner, Domingos Sarmiento, Bogdan Suchodolski e Henri Wallon. Comissão – A comissão que escolheu os educadores é composta por Carlos Alberto Xavier (gabinete do ministro), Lúcia Lodi e Jane Cristina da Silva (Secretaria de Educação Básica), Carmen Lúcia Bueno Valle (Consed), Justina Iva de Araújo Silva (Undime), José Carlos Dias de Freitas (FNDE), Maria de Lourdes Fávero (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação), Ataíde Alves (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep), Célio Cunha (Unesco) e Antônio Carlos Ronca (Conselho Nacional de Educação - CNE).

Compartilhe